20 de abr de 2015

A caminho do verão - Sarah Dessen


Aqui em casa janeiro sempre foi o mês destinado aos tuneis da serra que me levavam a caminho da praia e idas a papelaria que me faziam tão feliz em busca do material escolar. Eu não sou o que se pode ser considerada uma pessoa de verão, detesto suar e o aumento de alguns graus já é suficiente para me deixar molenga/enjoada/semvontadedeviver – também conhecido como pressão baixa – Provavelmente se você também odeia o calor sabe do que eu estou falando! Mas resolvi deixar essa lembrança dos ultimos de verão... Pelo menos por enquanto! 

Enquanto eu estava na praia como de praxe (em janeiro), resolvi pesquisar por algum livro relacionado a esta época de calor infernal e o mais recomendado foi A Caminho do Verão da Sarah Dessen, eu não conhecia a autora e nem o livro, YA’s nunca foram muito meu tipo de livro, mas eu resolvi arriscar, e confesso que fiquei bem impressionada com o que eu senti enquanto estava lendo...

A Caminho do verão conta a história da Auden que está vivendo as últimas férias de verão até entrar na faculdade, ela se esforçou a vida inteira por esse momento, nada de amigos, festas, namorados, estudar era tudo o que ela sabia fazer e tudo o que sempre fizera... Mas quando ela resolve ir passar as férias na casa do pai e da madrasta no litoral, começa a perceber que existe muito mais na vida do que apenas números e excelência acadêmica.



A história no geral é muito simples, “veroniana”, parecia certo ler esse livro sentada na minha cadeira de praia enfiando meus pés na areia...

E os sentimentos da Auden com relação aos pais e aos estudos me é muito familiar... Vários elementos da história são clichês, como o cara bonito e bronzeado com que você comete um erro, o outro misterioso que te intriga, a inspiração que ela traz do irmão e a pressão de agradar os pais... Mas a Sarah Dessen faz isso tão bem que a familiaridade chega a ser reconfortante ao contrário de piegas. Eu me importei com os personagens... É bem aquele tipo de livro que te inspira e te faz questionar a vida, porém de uma forma mais leve.
Segundo a autora, verão é a época em que tudo pode acontecer, as coisas podem mudar se você assim quiser e acho que acabei acreditando nela!

E não sei se é culpa do livro ou da praia, mas eu acabei ficando com uma vontade incontrolável de comprar uma bicicleta \o/

4 de abr de 2015

Por que assistir Gilmore Girls?



Assistir seriados é algo que eu amo fazer (algumas vezes mais até do que ver filmes u.u ), nos seriados o desenvolvimento de personagens é bem maior do que em filmes e isso nas mãos certas querido, vira mágica! Quem me conhece sabe que eu tenho uma certa crush pelo mundo da fantasia, dragões, magia, sobrenatural, alienígenas e terras distantes e desconhecidas... Mas é incrível encontrar algo que quebra essa rotina e Gilmore Girls fez exatamente isso comigo. 

Resolvi que assistiria a série completa algum tempo atrás, me lembrava de um episódio ou outro que assisti durante a infância e de ficar bem perdida nos longos diálogos super elaborados entre os personagens, mas foi justamente isso que me atiçou a querer voltar a assistir a série. Eu estava passando por uma fase totalmente carente de séries com diálogos mais estruturados e personagens principais que não sou "babacas" ou "burros", eu precisava de incentivo, o que já foi mais do que motivo suficiente para me fazer encarar as 7 temporadas com mais de 20 episódios cada!!!


É uma série que vai te conquistando aos poucos, nada de cenas fortes, correrias ou elementos fora do cotidiano e aí essa é a hora em que você pensa "nossa, deve ser um tédio", eu também achei que com o decorrer dos episódios essa vida cotidiana me cansaria... E nada como pagar a língua haha


Eu me identifiquei muito com Rory (a.k.a filha), a paixão por livros, series de tv e filmes que normalmente ninguém gosta, a mania de organização, o café, a timidez e o sonho de conhecer o mundo, eram coisas que nós duas compartilhávamos, a série começa com a Rory por volta dos seus 16 anos até o fim da universidade de jornalismo. Observamos ela crescer se apaixonar, se decepcionar e é quase impossível não se envolver. A Lorelai (a.k.a mãe) e seus problemas para se relacionar com as pessoas, principalmente seus pais e os homens... ahhh os homens da Lorelai!!! 

Tudo nessa série me fez cair de amor e de quem sabe algum dia morar em um lugar tão aconchegante quanto Star's hollow.


Mas Gilmore Girls também é cultura... A quantidade de livros citados ao longo da série já rendeu até desafio literário (que eu estou participando por sinal - clique aqui para ver), o incrível gosto musical da Lorelai, os filmes... O que não falta são referência dos mais diversos assuntos na série toda. (E isso vai render mais alguns posts por aqui).

Quantas vezes eu me aconcheguei na cama, com os olhos vermelhos e uma tristeza que não ia embora, com o computador no colo, cantando a musiquinha de início e com a estranha sensação de carinho que a série emite e pensando que não me sentia mais sozinha... É incrivelmente bizarro quando você encontra um livro, um filme, uma série que tem a capacidade de te consolar nos dias mais tristes. 

Então eu peço: assistam e por favor, não enjoem dos milhares de posts sobre o assunto, porque, na minha opinião Gilmore Girls realmente vale a pena.





23 de jan de 2015

Temas de Janeiro a Dezembro


É estranho como o mundo sempre parece andar em círculos, a gente diz que quer ver coisas novas, mas sempre acabamos fazendo as mesmas coisas, lendo os mesmos tipos de livros, visitando os mesmos lugares de sempre, assistindo os mesmos gêneros de filmes... E desde o ano passado eu tenho pensado em uma forma de diminuir essa minha tendência, principalmente com relação as minhas leituras, eu sempre acabo lendo os mesmos gêneros e sinceramente eu estou entediada, quero ampliar e diversificar!
Pensando nisso tudo eu resolvi tematizar... Para cada mês do ano eu escolhi um tema para conhecer e tentar me aprofundar mais no assunto.
Esse era um post que deveria ser escrito no começo do mês, maaas férias são férias por um motivo haha

Janeiro – Dias de verão
Fevereiro – Desbravando o português
Março – SyFy
Abril – A história do mundo
Maio – Desvendando mistérios
Junho – A doce poesia
Julho – Dias de inverno
Agosto – A nova ordem mundial
Setembro – Bibliografias
Outubro – Mês do horror
Novembro – Hora dos contos
Dezembro – Magic!

Esses são basicamente os temas e estão sujeitos a mudança se eu achar necessário. Mas a ideia não é ficar na leitura, mas levar isso para outros meios como filmes, lugares para visitar, temas para escrever e etc...
O post foi bem curtinho mesmo, só pra deixar registrado aqui os temas!

Quem sabe assim eu aprendo a variar um pouco mais a minha vida!

20 de jan de 2015

Vivendo fora da gaiola


As vezes eu me sinto numa gaiola, "as vezes" é um tanto quanto gentil...
Eu tenho tudo o que preciso aqui dentro da gaiola, agua, comida, um pouco de sombra e dois pauzinhos encaixados para que eu possa pular de um lado para o outro e me movimentar. Recentemente até colocaram mais alguém aqui dentro para me fazer companhia, mas isso não muda o fato de ainda estar numa gaiola.
Quando era mais nova tudo o que eu queria era sair, tentar voar. Sempre tive uma inexplicável atração pela sensação de vento passando pelo meu corpo, bagunçando meus cabelos e me fazendo sentir livre, mas... sempre fui tímida demais para abrir as asas e sair e assim escolhi a gaiola. Não foi algo que me obrigaram a fazer, talvez houvesse tido certa coerção, mas no final a escolha foi minha, não estava feliz com isso mas estava segura. E depois de tanto tempo, eu ainda estou aqui.

Eu sou uma sonhadora que tem medo de sonhar. A que se diz “wanderlust” mas nunca viajou. A escritora que não escreve. Eu sou o pássaro que quer sair da gaiola mas tem medo de cair.

Eu sou aquela que aprendeu que se definir é a coisa mais errada que poderia fazer para si mesma, mas que continua a fazer em já quase 220 palavras...

O que se faz quando não se quer mais ficar no lugar que está, mas não sabe outro caminho para continuar?
Não quero um caminho novo pra trilhar... Eu só quero... não ter mais uma gaiola.

Mas como dizem: cachorro velho não aprende novos truques.
Mas será que é possível, depois de tanto tempo, aprender a viver fora da gaiola?

6 de nov de 2014

Transformações do cinema - Garotas em filmes de terror

Se tem uma coisa que eu posso dizer sofre filmes de terror é que eu os adoro. Não acho que um filme de terror tenha necessariamente a ver com sustos, como a maioria das pessoas acredita, mesmo porque o medo e susto variam muito de pessoa para pessoa... pode ser que você se assuste assistindo algum filme com "jump scare" de algum espirito num estilo Annabelle e o grito, mas eu com certeza não! Me assustaria muito mais se aparecesse a cara de uma abelha da tela do que a de um fantasma. Então sustos no geral não podem definir um filme de terror. Porém existem outros elementos que fazem um filme, o enredo, figuro, ambientação, e principalmente para os filmes de terror o suspense e a empatia com o personagem. 
E hoje eu resolvi mostrar um pouquinho da transformação de alguns ou melhor de algumas das personagens mais populares da industria do terror. Essas são as primeiras transformações que me veem a cabeça quando eu penso em "garotas monstro", mas em breve eu apareço aqui com mais alguns...
  •  Linda Blair - O exorcista












Acho que a Linda é o maior exemplo que transformação e o mais conhecido também que eu poderia dar. Não existe ser vivo que não tenha visto pelo menos uma imagem da nossa querida Regan e que não tenha sentido pelo menos um calafrio da espinha. E eu pessoalmente adoro a Linda, nessa foto ele ainda estava bem novinha, mas já que foi na epoca em que ela fez o filme, eu achei mais coerente.
  • Isabelle Fuhrman - A Orfã
Eu simplesmente adoro esse filme, o clima, o enredo e principalmente essa coisinha fofa que é a Esther fizeram esse sucesso todo por um motivo. A credibilidade da atriz é que realmente faz a diferença, você realmente acredita que ela é uma criança e que ao mesmo tempo não é. 
  • Takako Fuji - O Grito

Para mim não tem como imaginar essa garota fofa se tornar este outro ser cinza ao lado, mas eu acho que a etnia ajuda. Orientais já em uma tendencia a ser usado em filmes de terror, principalmente porque boa parte das melhores histórias de terror são japonesas. Nem tem o que discutir.
  • Daveigh Chase - O Chamado
É só começar a falar sobre personagens de filmes de terror que eu automaticamente vou acabar falando da Daveigh, eu acho que ela é linda de morrer e como sendo uma super fan da Samara Morgan, não tinha como deixar ela de fora dessa lista. E sinceramente, eu acho que essa é uma das melhores transformações. Não existe angulo em que você olhe para ela e veja a atriz e não a personagem. 

5 de nov de 2014

Resenha: Gênio do Mal - Catherine Jinks


A primeira coisa que me atraiu em Gênio do mal foi obviamente o titulo. Eu não sei vocês, mas eu sempre fui daquele tipo que no decorrer da história acaba torcendo para o vilão! Não que eu queira ser a do contra, mas o personagens "maus" geralmente são mais interessantes dos que os heróis das histórias e eu como uma pessoa um tanto observadora e cansada de personagens coxinhas com o tempo seria obvio a minha escolha! Então lá estava eu passeando pela livraria, escolhendo qual livro eu iria comprar para ler no Natal, e esse titulo salta na minha cara. Eu abro o livro e dou de cara com a melhor lista de matérias de todos os tempos!!! Nem a minha amada biologia consegue superar uma lista de matérias dessa. Mas para vocês entenderem melhor do que eu estou falando, deixa eu contar um pouquinho da história


Cadel Piggott é um gênio. Desde os seus sete anos de idade invade computadores e grandes redes. Ele sempre foi um garoto diferente, o que era esperado. Os anos passam e a escola já não faz mais parte da vida de Cadel. E com apenas 14 anos ele entra para a faculdade. Mas como a experiencia com a escola não fora tão boa, os pais de Cadel resolvem mandá-lo para uma escola diferente, um lugar onde ele possa se encaixar melhor e ser desafiado: uma escola/faculdade para gênios. Mas aquele lugar onde todos achavam que era uma simples universidade para superdotados se revelou sendo um lugar diferente. Um lugar para gênios? Sim, mas não qualquer um, um lugar para gênios do mal.
A partir de então Cadel começa as aulas que sempre sonhou, como aula de desfalque, falsificação, e várias outras matérias que são necessárias para um bom "vilão". Mas mesmo se sentindo mais em casa, Cadel ainda estava sozinho e passava boa parte de seu tempo conversando com a brilhante Kay-Lee, uma garota inteligente e misteriosa que conheceu pela internet e que fez com que Cadel se questionasse sobre a instituição, e o papel dele próprio e do famoso diretor que a comandava. Será que existe algo por trás de tudo isso? Afinal ali todos são potenciais gênios do crime...

O livro da Catherine Jinks faz parte de uma trilogia que eu ainda não tive o prazer de ler. O que é uma pena, porque Gênio do mal é realmente uma ótima leitura, com personagens interessantes e fora do comum. Mas o que realmente te atrai para o livro é o ambiente e a Catherine consegue explorar muito bem esse lado. As descrições são fantásticas, e o livro é muito bem escrito. O livro é infanto-juvenil e isso é bem claro na forma da escrita, mas apesar disso eu não achei que deixasse a desejar para leitores que gostam uma leitura mais adulta.
E gente, quem não gostaria de estudar numa escola dessa? Só perde Hogwarts...
Eu achei grafia do livro muito bem feita, quando um novo capitulo começa, toda a pagina fica na cor preta, eu adorei a ideia... Por ser apenas uma pagina, não cansa a vista de forma alguma.